Seus olhos verdes brilhavam com intensidade a poucos centímetros dos meus. Sua mão pequena e macia estava confortavelmente entrelaçada nas minhas. Sua pele morena em contraste com a minha pálida. Seu cabelo sedoso havia perdido o brilho e os fios curtos faziam cócegas no meu pescoço.
Nós nos conhecíamos desde que me entendo por gente, mas a paixão surgiu gradativamente, nascendo de uma bela amizade. Estudamos na mesma escola desde o jardim de infância até o ensino médio, nem sempre na mesma classe, mas éramos inseparáveis nos intervalos. Crescemos, conhecemos outras pessoas, namoramos muito, mas nenhum desses romances deu certo por muito tempo.

Quando descobrimos que o que sentíamos ia além da amizade foi difícil. Afinal, se um romance não desse certo a amizade jamais voltaria a ser a mesma. Além disso, tivemos que encarar nossos pais que não aceitavam o nosso namoro.
Durante dois anos vivemos os momentos mais incríveis das nossas vidas... E agora ela estava morrendo por causa de uma maldita doença!
— Ei, não chore — sussurrou Michelle, com sua voz rouca pela fraqueza. — Estava se lembrando, não é mesmo?
Não consegui falar nada. Minha garganta estava travada. As lágrimas escorriam sem parar, silenciosas. Apenas confirmei com a cabeça.
— As boas lembranças vão ser torturantes no começo — completou ela, a voz diminuindo para um sussurro. — Mas será o que vai me manter viva. Não vou abandonar você, mas um dia você não se lembrará de mim dessa forma. Irá se casar, realizar o sonho de ser mãe... E quem sabe não tenha uma menininha que chamará de Michelle.
— Eu queria ser corajosa como você, anjo — consegui responder, por fim.
— Você é. Apenas não descobriu ainda.
Não falamos mais nada por um bom momento. E ela adormeceu em meus braços. Sua respiração estava lenta, tranquila. Ela parecia estar em paz. E talvez realmente estivesse. Eu jamais poderia dizer. Eu poderia ter dormido também, se não fosse o barulho do monitor de batimentos cardíacos ter me mantido acordada.
Eu sabia o que estava acontecendo, mas não sabia como reagir àquilo. Apenas me assisti ser carregada pelos enfermeiros para fora da sala. Pra longe do meu anjo. E eu não pude fazer nada. Não consegui fazer nada... Estava entorpecida demais para reagir.

Por mais doloroso que fosse, aquele não era o fim. Ela sempre estaria comigo enquanto eu me lembrasse do seu sorriso, dos seus olhos me fitando, da sua pele macia... Ela sempre estaria viva enquanto eu estivesse. Meu anjo estava apenas retornando para o seu lar agora. 



15 Comentários

  1. Oi Cass, tú tem uma escrita promissora e achei o conto interessante, inicialmente me perguntei porque os pais não aceitavam o namoro e quando chegou na frase "realizar o sonho de ser mãe" foi que entendi, você conseguiu incluir uma certa novidade na trama, parabéns pelo conto :)

    ResponderExcluir
  2. Oi Cass! Não leio conto mais esse parece ser bem interessante.
    Bjs 😘

    ResponderExcluir
  3. Oi Cass.
    Que coisa mais linda.
    E que final de partir o coração, você realmente gosta de me fazer sofrer, enfim adorei, espero que tenha mais como este por aqui.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Que triste esse conto, ai gente =/
    Mas é bonito ao mesmo tempo. Faz a gente pensar nas coisas que realmente importam...

    ResponderExcluir
  5. Adoro os contos que são postados aqui no blog! Sempre me impressiono com eles,pois são realmente bons e não são nada amadores. Gosto muito deles!
    Quase chorei nesse, foi bem lindo!
    Achei bem inovador e olha que não sou muito chegada a contos!

    ResponderExcluir
  6. Nossa gostei muito deste conto um pouco triste mais muito bonito.Parabéns
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Ai Cass!
    Sou grande apreciadora de seus contos e acredito que deveria participar dessas antologias que as editoras fazem, você sabe como sensibilizar.
    Parabéns!
    Bom feriado!
    “Saber envelhecer é a grande sabedoria da vida.” (Henri Amiel)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JUNHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  8. Aiii que emocionante esse conto! Meu Deus!
    Acho tão lindo quando o amor nasce da amizade.
    Uma pena que o felizes para sempre não durou (na terra) para o casal.
    Belas palavras, me tocou bem lá no fundo.
    Parabéns!
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  9. Olá,
    Seu conto é lindo. Você tem uma escrita perfeita, leve e faz encanta a pessoa com suas palavras.

    ResponderExcluir
  10. Olá.
    O conto é muito bonito, triste, mas reflexivo.
    Parabéns e siga sendo escrevendo, já que você tem esse dom.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Oi, Cass
    Que lindo conto! Mas bem triste esse final.
    Percebi que você gosta bastante de colocar anjos nas coisas, né?
    Continue escrevendo tão bem.

    ResponderExcluir
  12. Eu gosto muito de contos, e gostei muito desse seu conto, uma pena o final ter sido triste, mas o conto foi muito bonito, você escreve muito bem.

    ResponderExcluir
  13. Oi Cass ;)
    Apesar de não ser muito fã de contos, estou gostando bastante dos seus. Você tem uma escrita legal, devia investir nisso!
    Te desejo muito sucesso, e pode postar mais contos, estou adorando!
    Bjos

    ResponderExcluir
  14. Oi, Cass!!
    Gostei muito do conto!! Bem reflexivo e emocionante!!
    Bjoss

    ResponderExcluir
  15. Cass, você escreve muito bem! Achei o conto muito bonito, mesmo tendo um final bem triste. Gostei bastante do conto!

    Beijos!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e pelo comentário!
Se tiver um blog, deixe o link que visitaremos assim que possível ;)